Agricultores produzem vídeo sobre colheita e processamento de açaí e juçara

Imprimir este Post

Em Alegre, assim como em outros municípios do Espírito Santo, diversos agricultores estão experimentando uma nova forma deobtenção de renda a partir da polpa dos frutos do açaí e da juçara. O plantio de palmeiras vem sendo incentivado, poisconsorciadas a outras plantas nativas e culturas agrícolas, podem ser utilizadas na recomposição de margens de rios e nascentes.Além do uso na adequação ambiental, muitos agricultores têm apresentado experiências positivas no uso das palmeiras para o sombreamento do café.

No entanto, pouco se conhece sobre a forma de colheita e processamento dos frutos para a obtenção da tão apreciada polpa. Porisso, um grupo de agricultores, professores e alunos do Centro de Ciências Agrárias da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes)teve a iniciativa de produzir um vídeo que demonstrasse a técnica utilizada pelo agricultor e educador ambiental Newton Campos,que comercializa sua polpa na feira do município.

Juçara: O açaí da Mata Atlântica
A palmeira juçara (Euterpe edulis Mart.) é uma planta nativa das florestas da Mata Atlântica e está ameaçada de extinção pelo corte para extração do palmito. É uma planta típica da floresta, que prefere ambientes úmidos e sombreados e pode levar de 6 a 10 anos para chegar ao estágio adulto e, a partir daí, produzir uma grande quantidade de frutos.

A utilização dos seus frutos está contribuindo para uma mudança no quadro de risco de extinção da juçara, pois para a produção de polpa e sementes não é necessário matar a planta. Outro fator relevante é que, após a retirada da polpa dos frutos, a grande quantidade de sementes que sobram podem ser utilizadas na produção de mudas ou plantio por semeadura direta.

No Espírito Santo, o corte da palmeira juçara de origem nativa para obtenção do palmito é proibido, pois a planta está ameaçada de extinção em função da exploração insustentável do palmito.

“Consideramos a grande qualidade dessa palmeira e a possibilidade de diversificação de cultura e de renda, já que ela pode ser plantada tanto na mata, quanto consorciada a outros cultivos, como café, seringueira, eucalipto e banana. Além disso, enquanto a venda de 70 cm de palmito rende aproximadamente R$ 10,00, a coleta das sementes pode chegar aos R$ 40,00 por cacho de fruto”, explicou a engenheira florestal Erica Munaro.

Ela disse que, em relação a mercado e comercialização, pesquisas iniciais apontam que a polpa da juçara é mais saborosa e nutritiva que seu concorrente, a polpa do açaí.
“Vale lembrar que o Idaf possui normas específicas para exploração dos frutos e que antes de realizar o corte dos frutos é preciso se informar. Procure o Incaper ou o Idaf para garantir a sua renda de forma sustentável e responsável”, falou Erica.

Açaí, um fruto da Amazônia
O açaizeiro (Euterpe oleracea Mart) é uma planta nativa da Floresta Amazônica e se diferencia da juçara principalmente por produzir touceiras, cujos perfilhos apresentam diferentes estágios de desenvolvimento. Por isso, também é muito utilizada para a obtenção do palmito, pois o corte do estipe não ocasiona a morte da planta, ao contrário, estimula a produção de novos perfilhos.

A utilização dos frutos para obtenção da polpa do açaí apresenta grande importância na economia amazônica e em outras regiões brasileiras, sendo utilizada como matéria-prima para confecção dos mais variados produtos como sorvetes, picolés, bebidas, sucos, geleias, entre outros.

Fonte Governo do ES
Foto www.acaifrooty.com.br

Jornalista e publicitária. Diretora Presidente dos jornais Hora Aghá e Correio Regional.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*