Campanha alerta motoristas e frentistas para riscos do benzeno

Imprimir este Post

O benzeno é um dos componentes da gasolina e do diesel e é altamente prejudicial à saúde. Pensando nisso, para conscientizar a população e, principalmente, motoristas e profissionais dos postos de combustível, a Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) – por meio do Centro Estadual de Referência em Saúde do Trabalhador (Cerest-ES) – participa nesta terça-feira (08) de uma campanha para alertar sobre os riscos de exposição à substância.

Segundo a chefe do Núcleo Especial de Vigilância em Saúde do Trabalhador e coordenadora do Cerest-ES, Liliane Graça Santana, o contato frequente com o benzeno causa desde tontura, mal-estar, dor de cabeça, enjoo e fraqueza até diminuição do sistema de defesa do corpo, alteração e diminuição das células do sangue e câncer.

Abastecimento automático
A campanha é uma iniciativa da Comissão Estadual do Benzeno, da qual o Cerest-ES faz parte, e traz como tema “Abastecimento de Veículos até o Desarme Automático”. “É muito comum o condutor solicitar que o abastecimento continue mesmo quando a bomba desarma, ou até o próprio frentista, por uma questão cultural ou por recomendação do próprio posto, perguntar se é para continuar enchendo o tanque, e é esta prática que queremos eliminar”, explicou Liliane.

De acordo com a coordenadora do Cerest-ES, o risco de intoxicação para o usuário é menor do que para o trabalhador, que lida com combustível praticamente todos os dias, durante muitas horas por dia e, muitas vezes, por um longo período da vida. De qualquer forma, os motoristas são orientados a fechar os vidros do carro durante o abastecimento e os motociclistas a descerem da moto e se afastar.

“O abastecimento automático também possibilita que o frentista se afaste da bomba de combustível e retorne quando o processo estiver concluído. A gente não enxerga a olho nu, mas a substância química está presente e é prejudicial à saúde”, detalhou a coordenadora do Cerest-ES, enfatizando que a continuidade do abastecimento após o desarme da bomba aumenta a exposição do frentista aos vapores produzidos no abastecimento.

Onde
A campanha será lançada em quatro postos de revenda de combustível localizados em áreas de grande fluxo de veículos na capital capixaba. São eles: Posto Escola, na Praia do Canto; Posto Presidente, na Avenida Fernando Ferrari; Posto Modelo, na Avenida Vitória; e Posto Mirante, na Avenida José Maria Vivácqua Santos, próximo ao aeroporto.

A ação começará às 9 horas e serão distribuídos fôlderes e adesivos para serem colados na tampa do bocal de abastecimento dos veículos. A campanha será realizada inicialmente nos postos de Vitória e posteriormente será levada para outros municípios.

Avanços
Além do Cerest-ES, fazem parte da Comissão Estadual do Benzeno a Superintendência Regional do Trabalho (SRT-ES), a Coordenação de Saúde do Trabalhador do Município de Vitória, a Fundação Jorge Duprat Figueiredo de Segurança e Medicina do Trabalho (Fundacentro), o Sindicato dos Empregados em Postos de Revenda de Combustível e Derivados de Petróleo no Estado do Espírito Santo (Sinpospetro), Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo do Estado do Espírito Santo (Sindipostos), o Sindicato dos Metalúrgicos do Espírito Santo (Sindimetal-ES), e a Arcelor Mittal Tubarão.

A coordenadora do Cerest-ES ressaltou que o Sindicato dos Empregados em Postos de Revenda de Combustível e Derivados de Petróleo no Estado do Espírito Santo obteve recentemente duas importantes conquistas, em acordo coletivo da categoria, com relação à prevenção da exposição ao benzeno. Ela lembrou que no ano passado, foi acordado o abastecimento automático como um direito dos profissionais e, em 2014, foi proibido o uso da flanelinha, antes usada justamente para limpar o combustível que escorria do tanque no abastecimento. O tecido, ao entrar em contato com o combustível, fica umedecido e a substância acaba sendo absorvida pela pele e causando danos à saúde do trabalhador.

Orientações para diminuir a exposição do trabalhador ao benzeno
– Em coleta de amostras e medição de tanque é preciso usar máscara;
– Na transferência do combustível do caminhão-tanque para o tanque é preciso se usar máscara e se afastar;
– Durante o abastecimento dos veículos, ficar longe da bomba e jamais encostar o ouvido ou aproximar o rosto e os olhos do tanque para ver a quantidade de combustível;
– Não cheirar a tampa para ver se há álcool ou gasolina no tanque do veículo;
– Não usar flanela ou qualquer outro paninho. Substituí-los pelo lenço de papel descartável;
– Quando cair combustível no uniforme é preciso trocá-lo imediatamente. A roupa usada no trabalho deve ser lavada separadamente de outras roupas;
– Jamais puxar gasolina com a boca.

Jornalista e publicitária. Diretora Presidente dos jornais Hora Aghá e Correio Regional.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*