Educação de Ensino Superior

Imprimir este Post

Durante muitos anos a educação universitária limitou-se a elite brasileira. Os brancos estavam presentes nos bancos acadêmicos e o sonho de ingresso ao academicismo impedia a presença de negros e de pobres nos corredores das universidades brasileiras.

O texto externado apresenta-se de forma discriminatória, no entanto representa um mapeamento historiográfico do ensino superior no Brasil. Além das presenças preconceituosas deve-se recortar que o Brasil teve que aguardar o final do século XIX para presenciar os aparecimentos das primeiras escolas produtoras de conhecimentos científicos e culturais, o processo foi fruto da invasão da Família Imperial ao país.

Deve-se reforçar que a primeira universidade surgiu tardiamente no início do século,  em 1912. A historicidade afirma que durante anos, as únicas iniciativas na área de educacional estabeleceram-se através dos jesuítas. Cita-se que a proposta efetuada pelos religiosos era a proliferação de seus valores catequeses e a destruição dos valores culturais da comunidade indigenista brasileira.

Nos anos 50 a 70 o governo inicia uma campanha destinada a política educacional brasileira. Deste modo, nasceram as universidades federais em todo o território brasileiro. Também nasciam as universidades estaduais, municipais e particulares. Com essa nova proposta política para educação universitária, conseqüentemente nascia uma população mais crítica e mais intelectualizada.

Mas o avanço do ensino superior realçou-se nos anos 70. Durante esta década foi constatado o mapeamento de alteração de matrículas. O Brasil obteve aumento de dados de alunos matriculados, portanto subindo de 300.000 (1970) para um milhão e meio (1980), entretanto ainda persiste pouca matrículas nas faculdades brasileiras.

Muitos ainda estão afastados das faculdades e do processo de alfabetização. O número avançado de brasileiros analfabetos retrata um povo que ainda vive no isolamento no processo de ensino e aprendizagem. Além dos analfabetos totais temos os analfabetos funcionais que não conseguem interpretar um texto e nem conseguem desenvolver uma redação.

Nos bancos acadêmicos temos muitos alunos que não conseguem desenvolver interpretação de textos e possuem expressivas dificuldades para promover avanços intelectuais. Nos anos 90 o território brasileiro efetivou diversas autorizações para reconhecimento, credenciamento de faculdades.

No estado do Espírito Santo poucas unidades e poucas matrículas eram efetuadas e a vida acadêmica limitava-se apenas para poucas instituições. Ao passar dos anos várias instituições abriram suas portas e sutilmente as matriculas aumentaram, contudo a qualidade do ensino direcionada para uma metodologia que atendia o aluno copista de conteúdos do quadro negro.

Em nossa contemporaneidade tivemos a falência de várias faculdades e muitas instituições que não conseguiram sustentar-se no mercado e vivem nas cordas bambas com pagamentos de professores atrasados. Em alguns municípios da Grande Vitória temos faculdades dirigidas por proprietários despreparados para o gerenciamento educacionais, pois não investem em qualidade e em novos recursos didáticos, metodológicos.

A nova proposta realçada e o processo educacional para educação EAD, portanto temos um número considerável de instituições que ofertam a educação EAD. Não se sabe da qualidade ofertada nas instituições e se realmente o novo profissional formado pela educação a distância vai atender as demandas solicitadas pelo mercado.

Através  desta lacuna e das dúvidas sobre a qualidade educacional ofertada nasceu uma exigência que contribui veridicamente para uma qualificação, portanto muitas instituições aprimoram seus métodos e aplicaram novas ferramentas para empenhar-se na qualidade de ensino construída na sala de aula.

A FACULDADE FASE  situa-se na cidade de Serra,  no balneário de Jacaraípe, vem crescendo e aprimorando suas qualidades metodológicas, portanto é uma instituição que seleciona e renova seus parâmetros e suas metodologias e vem aplicando ferramentas importantes para o avanço das aulas efetuadas da educação EAD ou presencial. O corpo docente assume uma renovada proposta acadêmica. Levando o aluno a leituras reais sobre o conteúdos propostos.

Foto blog.crb6.org.br

Jornalista e Mestre pela Universidade Federal do estado do Rio de Janeiro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*