Onda de lama: Ministério e Governo priorizam ações para abastecimento de água

Imprimir este Post

O ministro da Integração Nacional, Gilberto Occhi, retornou ao Estado, nesta segunda-feira (16), e participou de reunião de trabalho com o governador Paulo Hartung e membros do Governo Estadual.

A pauta principal do encontro foram as medidas que já estão em andamento para viabilizar a criação de um sistema alternativo para fornecimento de água aos moradores do município de Colatina, região Noroeste do Estado. O encontro aconteceu na Residência Oficial do Governo, na Praia da Costa, em Vila Velha.

“A mensagem que quero deixar para o Espírito Santo é a tranquilidade para Baixo Gandu e Colatina pelo trabalho que estamos fazendo em conjunto [Prefeitura, Governo e União]. Não faltará água para estas cidades. O que podemos ter é uma diminuição da oferta e uma adequação no abastecimento de água das cidades por conta da captação no rio”, explicou o ministro Gilberto Occhi.

O ministro da Integração Nacional destacou que Baixo Guandu não é mais dependente do Rio Doce. “Já está pronta uma adequação para captação no Rio Guandu e temos ainda a instalação de cisternas, reservatórios e a presença de carros-pipas para, se necessário, buscar água em outros locais”, disse Occhi.

Em Colatina os esforços da Prefeitura e dos Governos Estadual e Federal estão em abastecer aproximadamente 120 mil habitantes. Entre as linhas de trabalho já está em execução a perfuração de poços artesianos para coleta de água no subsolo. Também está em avaliação a instalação de adutoras com engates rápidos para coleta de água bruta nas lagoas do Limão e Batista.

Na área logística, para realizar a distribuição e armazenamento de água estão sendo utilizados carros-pipa e reservatórios móveis. Em paralelo, órgãos de controle recolhem periodicamente amostras de água do Rio Doce para analisar a qualidade. “Estamos percebendo que à medida que a água do rio vem se aproximando do Espírito Santo, está ela perdendo a turbidez. Pensando na coleta de água para tratamento e distribuição, este é um importante registro”, avaliou o ministro.

Já o governador Paulo Hartung ressaltou que existindo qualquer suspeita na qualidade da água a coleta será suspensa no Rio Doce. “É uma questão de saúde pública que está sendo tratada com muita cautela”, frisou.

“Estamos fazendo todo um trabalho preventivo com participação das Prefeituras de Colatina, Baixo Guandu e Linhares e, desde o último final de semana, com a atuação da empresa [Samarco] responsável pela grave tragédia ambiental e social. Nossa intenção é minimizar os impactos para a população durante a passagem da lama na região do Rio Doce em território capixaba”, ressaltou o governador.

Hartung disse ainda que, entre as ações preventivas, está em andamento uma ação da comunidade com técnicos do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Espírito Santo (Ifes) para recolher e abrigar espécies da fauna durante a passagem da lama no rio. O governador aproveitou para agradecer a presença do Exército Brasileiro em Colatina e Baixo Guandu. “O Exército vai ajudar e muito na realização de atividades humanitárias”, ponderou.

Retenção nas represas
O governador Paulo Hartung informou que atualmente [nesta segunda-feira (16)] a lama de rejeitos provenientes do rompimento da barragem de Mariana (MG) está próxima ao município de Aimorés (MG) onde existe um reservatório que, de acordo com informações do Governo Federal, vai auxiliar na retenção do material até o Rio Doce aumentar o atual volume de água em sua calha.

“A lama ainda vai passar pelas represas de Aimores e Mascarenhas. Estamos acompanhando os trabalhos que estão sendo realizados nestes locais”, disse.

Jornalista e publicitária. Diretora Presidente dos jornais Hora Aghá e Correio Regional.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*