Prefeituras e bombeiros usam água das estações de tratamento de esgoto da Cesan

Imprimir este Post

Pensa rápido: o que é feito com o seu esgoto? A maioria da população atendida pela Companhia Espírito Santense de Saneamento (Cesan) com esgotamento sanitário talvez não saiba a resposta: água de reúso e fertilizante para agricultura.

Desde fevereiro deste ano, a Cesan – além de tratar os esgotos e devolvê-los limpo ao meio ambiente – investe no tratamento final do efluente das Estações de Tratamento de Esgoto (ETE) da Grande Vitória para disponibilizá-lo como água de reúso a prefeituras, corpo de bombeiros, secretarias do estado, entidades públicas e privadas. Ao todo são produzidos mais de 500 litros de água por segundo apropriados para o reuso nessas ETEs.

A Prefeitura de Vila Velha, que aderiu à parceria para utilizar essa água, já captou, desde janeiro, 461 mil litros de água de reuso da ETE Araçás para irrigar as áreas verdes e lavar as ruas após as feiras livres e calçadas. Um total de 424 mil litros de água também foi utilizada pela própria Cesan nos serviços de desobstrução de rede de esgoto, aquele importante trabalho de “desentupimento” nos poços de visitas (PV) e nas redes coletoras para eliminar os vazamentos.

As redes de drenagem pluvial, que recebem e escoam a água das chuvas para um córrego, também foram desobstruídas com água de reúso da Companhia pela Prefeitura de Vitória. A instituição foi responsável por captar 56 mil litros, em fevereiro, para utilizar em seus serviços de desentupimentos dessas redes. Outros 113 mil litros foram utilizados no combate ao incêndio nas áreas de turfa – na região do Mestre Álvaro – pelo Corpo de Bombeiros. De fevereiro a março, a Cesan já disponibilizou para todas as instituições mais de um milhão de litros de água de reúso, o que corresponde a 132 carros-pipa com capacidade de armazenar 8 mil litros cada.

Outro exemplo de reaproveitamento é o lodo de esgoto, que nada mais é do que a parte sólida gerada no processo de tratamento do esgoto domiciliar. Após ser higienizado, ele torna um fertilizante natural (ou biossólido) para ser utilizado na agricultura. Desde o último semestre de 2014, oito agricultores melhoraram as condições físicas do solo por adotarem o uso do biossólido gerado a partir do lodo de esgoto da ETE Mulembá. Até agora, eles já receberam 100 toneladas para utilizar em área que equivalente a pelo menos 10 campos de futebol.

Jornalista e publicitária. Diretora Presidente dos jornais Hora Aghá e Correio Regional.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*