Ripa na Chulipa – Edição 272

Imprimir este Post

Olha a cara de pau
Fabiane Almerinda, que é diretora da Câmara de Vereadores de Cariacica, viajou e deixou o cartão de ponto assinado. A irregularidade foi descoberta porque ela publicou fotos da viagem nas redes sociais. A fraude foi cometida por quem deveria dar o exemplo, já que Fabiane é responsável por fiscalizar o livro de ponto e a frequência dos funcionários.
O presidente da Câmara de Cariacica, Marcos Bruno Bastos, disse por meio de nota que houve um erro administrativo e que os dias vão ser descontados na folha de pagamento da servidora.

Partido quer expulsão de Max
Insatisfeitos com a forma que o vereador Max da Mata (PSD) vem conduzindo a presidência do partido, membros do PSD capixaba estão se movimentando para tirá-lo do posto e já cogitam até a possibilidade do retorno do ex-presidente Enivaldo dos Anjos. O grupo dos rebelados alega que Max vem tomando decisões autoritárias para atender interesses pessoais e sem ouvir a militância. Dizem ainda que até hoje o PSD está perdido, sem saber se fará oposição ou estará na base aliada do futuro Governo.

Sem condições
Max é aliado do prefeito Luciano Rezende e do governador Renato Casagrande (PSB) e agora, depois de ser derrotado na disputa pela vaga na Assembleia, não teria mais condições políticas de conduzir a legenda, diz uma importante liderança da sigla. A mesma fonte diz também que ficou comprovado o enfraquecimento do seu projeto e que é preciso mudança.

Troca-troca
O presidente da Câmara da Serra, Guto Lorenzoni (PP), pode virar secretário do prefeito Audifax Barcelos (PSB). Ele tenta se emplacar na pasta do Trabalho, Emprego e Renda. Aliado de primeira linha do prefeito, a estratégia seria evitar um possível isolamento dele na Câmara, já que a nova Mesa Diretora promete fazer oposição a Audifax.

Sem quórum
Vereadores de Vitória resolveram boicotar a inauguração da ciclovia que liga a Praça dos Namorados à orla de Camburi no último domingo. Apenas três estiveram presentes: Vinícius Simões (PPS), Fabrício Gandini (PPS) e Max da Mata (PSD). Em tempo, a relação do prefeito Luciano Rezende (PPS) e os demais parlamentares não é a das melhores.

Religiosidade em alta
Parece que os vereadores de Vila Velha estão convertidos ao evangelho. Os parlamentares aprovaram o calendário de eventos para o município em 2015. Chama atenção a quantidade de comemorações religiosas. São 10 no total. Entre elas estão o dia da música gospel, dia municipal da reforma luterana e dia contra a intolerância religiosa.

Saúde pública
Ao assumir o mandato em Guarapari, o prefeito Orly Gomes (DEM) assinou com o Ministério Público um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) para ampliar a cobertura da saúde básica da família. Na época, o índice era de 16% e a meta era chegar a 50% até 2016. Atualmente, o programa já atinge 61% em menos de dois anos.

Justiça mantém condenação de políticos
A Justiça manteve a condenação do ex-prefeito de Guaçuí, Luciano Manoel Machado e da ex-deputada estadual Fátima Couzi. De acordo com o Ministério Público Estadual, em 2002, quando Fátima era deputada, vendeu uma caminhonete por R$ 36 mil para uma empresa de Guaçuí, mas, 10 minutos depois o veículo foi transferido para o município, que pretendia adquirir um carro semelhante para ações de combate a endemias.

Multa
Na época, Fátima Couzi estava impedida de contratar com a administração. O Tribunal de Justiça entendeu que houve conluio entre o então prefeito Luciano Manoel Machado e a parlamentar. A Justiça manteve a condenação, mas reduziu a pena de suspensão dos direitos políticos de cinco para três anos. Foi mantida também a multa no valor de R$ 36 mil, mesmo valor da venda da caminhonete.

Vereadores vão devolver R$ 4 milhões
A Câmara Municipal de Vila Velha vai devolver R$ 4 milhões à prefeitura. Segundo o presidente da Câmara, vereador Ivan Carlini (DEM), esse valor é a soma das economias de 2013 e deste ano. Carlini disse ainda, que o dinheiro seria investido na construção da nova sede da Câmara, num terreno doado pelo prefeito Rodney Miranda. Mas, em conversa com os colegas, o presidente decidiu devolver os R$ 4 milhões para ajudar o prefeito nas obras de prevenção das enchentes, que já têm projetos definidos

Sem regalias
Ivan Carlini citou que a economia foi possível, porque a Câmara de Vila Velha não conta com nenhum contrato em vigência e reforçou que os vereadores do município não têm carro, combustível e nem telefone celular por conta da Casa.

Foto www.vilavelha.es.gov.br

 

Jornalista especialista em gestão estratégica de comunicação e marketing.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*